Categorias
Gestão Ambiental Sustentabilidade

Arborização urbana: como plantar as mudas e escolher as espécies de árvores

A arborização urbana é fundamental para garantir o conforto e bem-estar de quem vive na cidade, pois as árvores funcionam como um filtro ambiental, reduzindo a poluição atmosférica, amenizando o calor, diminuindo a insolação e a velocidade dos ventos, e abafando ruídos. As árvores também contribuem no combate à erosão e servem de abrigo e alimento para as aves.
Segundo a Associação Brasileira de Arborização urbana, para a escolha da espécie adequada ao plantio em vias públicas (ruas e calçadas), a árvore deve ter características como:

  • Estar adaptada ao clima do local;
  • Ser preferencialmente uma espécie nativa da vegetação local;
  • Possuir porte adequado ao espaço disponível;
  • Não apresentar princípios tóxicos ou alérgicos;
  • Devem-se evitar espécies que necessitem de poda frequente, que tenham tronco frágil, caule e ramos quebradiços.

A escolha correta das árvores é importante, porque evita que elas causem problemas para a infra-estrutura do meio urbano, como as redes de água e esgoto, a rede elétrica, o calçamento das ruas e a circulação de pedestres e carros.
É muito fácil contribuir para a conservação das árvores e mudas existentes nas ruas da sua cidade. Basta cuidar das espécies localizadas em frente à sua casa: regando-as na época de seca e quando necessário.
Espécies indicadas para o plantio em ruas e avenidas:

  • De pequeno porte: plantio em locais sob rede elétrica. Exemplo: Murta-de-cheiro, Escova-de-garrafa, Ipê-de-jardim, flamboyant-mirim, grevilha-anã, redesá.
  • De médio porte: plantio em locais sem rede elétrica e com calçada com menos de 3 m. de largura. Exemplo: Pata-de-vaca, falso-chorão, quaresmeira, canelinha, magnólia, manacá-as-serra.
  • Grande porte: plantio em locais sem rede elétrica e com calçada com mais de 3 m. de largura. Exemplo: Angico, jacarandá-mimoso, pau-brasil, oiti, ipê, sibipiruna.

É recomendável que o plantio das mudas seja feito no inicio da estação chuvosa. Caso seja feito na estação das secas, as mudas devem ser irrigadas diariamente durante 30 a 45 dias após o plantio.
Veja como a muda deve ser plantada:

Arborização urbana - Forma certa de plantar árvores
Arborização urbana - Forma certa de plantar árvores

Atenção, quando for plantar respeite as seguintes distâncias mínimas:

  • Entre árvores de pequeno porte: 5,0 metros
  • Entre árvores de médio e grande porte: 7,0 metros
  • Entre árvores de pequeno porte e postes: 5,0 metros
  • Entre árvores de médio e grande porte e postes: 7,0 metros
  • Entre a esquina e as árvores: 5,0 metros
  • Entre as árvores e as entradas de garagens: 5,0 metros
Categorias
Controle Ambiental Gestão Ambiental

Saneamento Ambiental

O Saneamento ambiental compreende as seguintes atividades:

Abastecimento de água;
Esgotamento sanitário;
Drenagem urbana;
Coleta e destinação final dos resíduos sólidos;
Controle de vetores e de reservatórios de doenças transmissíveis;
Saneamento da habitação, dos alimentos, dos locais de trabalho e recreação, no processo de planejamento territorial, em situações de emergência e etc;
Educação em saúde pública e ambiental;

O Saneamento ambiental tem uma importância social e econômica, pois:

Fatores ambientais e antrópicos são inter-relacionados com doenças!

Diminui incidência de Doenças (Doenças de veiculação hídrica, proliferação de vetores);

Diminui custos para a sociedade em geral (diminuição núm. leitos hospitalares, menor índice de faltas no trabalho, aumento da qualidade de vida em geral, menores gastos com remediação de passivos ambientais);

Preserva os recursos naturais, diminuindo os custos de exploração e beneficiamento.

Os impactos proporcionados pelo ambiente sobre a saúde humana podem ser divididos em:

Riscos tradicionais: associados ao subdesenvolvimento, como falta de acesso à água potável, saneamento inadequado das habitações e comunidade, destino inadequado de resíduos sólidos, acidentes ocupacionais, e etc.

Riscos modernos:
associados ao desenvolvimento não-sustentável, como poluição urbana, poluição industrial, geração de resíduos sólidos perigosos, riscos químicos e radiotivos, desflorestamento, degradação do solo, mudanças climáticas.