Categorias
conceitos

Categorias de UCs estabelecidas pelo SNUC

Existem duas categorias de UCs estabelecidas pelo SNUC:

  • Proteção integral: permite apenas o uso indireto dos recursos naturais;
  • Uso sustentável: permite compatibilizar a conservação da natureza com o uso sustentável de parte dos recursos naturais.
Categorias
conceitos

O que são Unidades de Conservação?

São espaços territoriais e seus ambientes, incluindo as águas, com características naturais relevantes, legalmente instituídos pelo Poder Público, com objetivo de conservação. A Unidade de Conservação (UC) tem seus limites definidos para garantir sua proteção.
O Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), criado pela Lei 9.985/2000, estabelece critérios e normas para criação, implantação e gestão das Unidades de Conservação, sejam elas privadas, como o exemplo das RPPNs, ou públicas, como as Áreas de Proteção Ambientais (APAs), Parques, Monumentos Naturais e outras categorias.
 

Categorias
Planejamento Ambiental Recursos Hídricos

Medidas para minimizar erosão

Existem uma série de medidas que podem ser adotadas para minimizar a erosão do solo:

  • Nos terrenos em encostas pode-se fazer plantio em curvas de nível (plantio em contorno); utilização de terraços (escavações rasas que seguem as curvas de nível), ladeadas por pequenos diques de terra.
  • Cordões de vegetação permanente: barreiras vivas de vegetação, intercaladas em áreas cultivadas, com o objetivo de reter o escoamento, provocar a deposição de sedimentos e facilitar a infiltração da água.
  • Controle das queimadas.
  • Alternância de roçados. Rotação de culturas.
  • Cobertura morta do solo com palhas (serrapilheira, carnaúba, cana, arroz, capim seco, folhas, etc). A cobertura morta, além de proteger o solo contra os efeitos da incidência solar e do impacto das chuvas, que provocam compactação e erosão, também melhora a bio-estrutura do terreno e protege a microfauna e microflora do solo, aumentando as condições de aeração e absorção hídrica.
  • Adubação orgânica: torna o solo mais resistente à erosão, pois melhora a sua estrutura porosa, aumentando a absorção da água.
  • Cobertura verde em rotação, sucessão ou consorciação com outras culturas: são muito usadas as leguminosas herbáceas, arbustivas e árboreas, a cobertura verde pode ser utilizada para a realização da adubação verde, que consiste no cultivo de plantas que produzem grande quantidade de massa em pouco tempo, as quais são cortadas ainda verdes e enterradas.
Categorias
Recursos Hídricos

Controle do uso e ocupação do solo

Princípios para o controle do uso e ocupação do solo de modo a se evitar erosão:
Deve ser feita a definição de usos do solo em função das características ambientais do terreno, estabelecendo-se atividades que resultem em menor remoção da cobertura vegetal e em menos alterações nas características topográficas e do solo, principalmente para os locais sujeitos à erosão.
Deve ser feita a adoção de taxas de ocupação baixas (ou nulas) para áreas como as encostas, margens de recursos hídricos e mananciais, dunas e locais com solos mais erodíveis. De forma a garantir um maior percentual da superfície como áreas livres, permeáveis e com vegetação.
Deve ser feita a proteção e preservação dos caminhos naturais de escoamento das águas.

Categorias
Planejamento Ambiental Recursos Hídricos

Controle da erosão

O princípio básico no controle da erosão é planejar o uso e ocupação do solo em comum acordo com a preservação das características topográficas, de solo, de drenagem da água e da vegetação natural do local.
Princípios para controle da erosão:

  • Proteção da vegetação (talvez a mais fácil e eficaz)
  • Disciplinar o uso e ocupação do solo
  • Práticas agrícolas adequadas
  • Proteção e controle do escoamento das águas
  • Controle sobre os movimentos de terra em obras de engenharia
  • Reflorestamento de áreas degradadas

O controle da erosão é consequência natural do adequado manejo do solo, da vegetação e da água.

Categorias
Controle Ambiental

Consequências da Poluição do Ar

Nem sempre é fácil o estabelecimento de uma relação direta entre determinado poluente e os seus efeitos no meio ambiente. A dispersão do poluente no ar, a distância que alcança, sua concentração e o tempo de exposição ao mesmo, são fatores que influem nos impactos que podem ser causados.

  • Danos à saúde humana: desconforto, odores desagradáveis, doenças no aparelho respiratório, bronquite, efisema, asma, câncer, asfixia, irritação dos olhos, garganta e mucosas.
  • Danos à vegetação: redução da fotossíntese, ataque à folhagem, alterações no crescimento e na produção de frutos.
  • Danos aos animais: diretamente, a partir dos poluentes atmosféricos, ou pela ingestão de vegetais contaminados.
  • Redução da visibilidade: podendo ocasionar acidentes nas estradas e ruas.
  • Danos aos materiais e construções: sujeira, desgaste, corrosão, deterioração da borracha e produtos sintéticos, enfraquecimento, alterações da aparência de prédios e monumentos.
  • Desfiguração da paisagem.
  • Alterações climáticas: alterações nas chuvas, redução da radiação e da iluminação, aumento da temperatura.

 
 

Categorias
Sem categoria

Coleta de amostras para potabilidade

Análise do ponto de coleta: a amostra tem que ser o mais representativa o possível do que se quer coletar.
A coleta interfere no resultado da análise.
Quando os metódos de coleta não estão bem definidos ou são errôneos os resultados são duvidosos (sem credibilidade).
 

Categorias
Tecnologias Ambientais

Histograma de frequência

O Histograma de frequência é uma função do Geoprocessamento de Imagens de Satélite que fornece para cada valor digital (DN), o número de pixels que, independentemente de sua posição, existem para este valor.
Contrast stretching: se opera sobre o histograma para melhorar o contraste.
Filtragem espacial: técnica utilizada para evidenciar os aspectos texturais da imagem.
Composição a falsa cor: Síntese aditiva a cores falseadas de três bandas quaisquer, segundo a composição das três cores fundamentais (vermelho, azul, verde). O olho humano é mais sensível a variação de cor que a variação de tons de cinza.

Categorias
Tecnologias Ambientais

O que é Georreferenciamento?

Georreferenciamento é a atribuição de um sistema de coordenadas de terreno ao banco de dados.
É a atribuição a cada um dos pixels de uma coordenada de mapa através da individualização de um certo número de pontos de controle GCP, que fazem a correspondência entre a imagem e o mapa ou o terreno.
O Georreferenciamento envolve a reamostragem da imagem. Por isto é diferente do registro da imagem que consiste apenas em colocar a imagem no lugar e na escala correta.
Já a análise de uma imagem consiste na fotointerpretação visual do tratamento mais a classificação automática (assinatura espectral).
A classificação multiespectral requer o uso de padrões de reconhecimento espectral.
 
 

Categorias
Tecnologias Ambientais

Diferença entre GIS e CAD

Diferença entre GIS e CAD: Em um CAD um retângulo é somente uma unidade geométrica. Já em um GIS um retângulo é a representação de uma entidade real com área, perímetro e significado lógico. Pois nos GIS temos a possibilidade de associarmos aos elementos geométricos representaticos de áreas, atributos e informações de vários tipos (textos, fotos, dados, etc).
Ou seja, para os dados Raster é possível associar a cada célula elementar (pixel), um número infinito de atributos que são, em geral, memorizados por um banco de dados.
Dados Raster e Vetoriais:
Por dados vetoriais se entende dados geométricos memorizados através das coordenadas (eixos coordenados) dos pontos significativos destes elementos.
Por dados raster se entendem os dados memorizados através da criação de uma grade regular, na qual, à cada célula (pixel) vem associado um valor alfanúmerico que representa um atributo.
No modelo GIS, os dados vetoriais e raster coexistem e se integram alternadamente, os primeiros são geralmente utilizados para dados discretos e os segundos para dados contínuos.
Georreferenciamento: atribuição de um sistema de coordenadas de terreno ao banco de dados.
Sensoriamento remoto: é a aquisição de dados sobre um objeto ou cena por um sensor que está distante deste objeto (Colwel, 1984). Fotografias aéreas, imagens de satélite e radar são formas de dados de sensoriamento remoto.
Dois aspectos principais: aquisição dos dados e elaboração e análise dos dados para a interpretação.