O que são as Licenças Ambientais?

Tanto nos extratos abaixo da Resolução Conama 237, como na Lei Estadual do Mato Grosso do Sul 2.257 de 2001 temos a seguinte hierarquia de licenças e o seguinte procedimento para o licenciamento ambiental:

Art. 8º – O Poder Público, no exercício de sua competência de controle, expedirá as seguintes licenças:

I – Licença Prévia (LP) – concedida na fase preliminar do planejamento do empreendimento ou atividade aprovando sua localização e concepção, atestando a viabilidade ambiental e estabelecendo os requisitos básicos e condicionantes a serem atendidos nas próximas fases de sua implementação;

II – Licença de Instalação (LI) – autoriza a instalação do empreendimento ou atividade de acordo com as especificações constantes dos planos, programas e projetos aprovados, incluindo as medidas de controle ambiental e demais condicionantes, da qual constituem motivo determinante;

III – Licença de Operação (LO) – autoriza a operação da atividade ou empreendimento, após a verificação do efetivo cumprimento do que consta das licenças anteriores, com as medidas de controle ambiental e condicionantes determinados para a operação.

Art. 10º – O procedimento de licenciamento ambiental obedecerá às seguintes etapas:

I – Definição pelo órgão ambiental competente, com a participação do empreendedor, dos documentos, projetos e estudos ambientais, necessários ao início do processo de licenciamento correspondente à licença a ser requerida;

II – Requerimento da licença ambiental pelo empreendedor, acompanhado dos documentos, projetos e estudos ambientais pertinentes, dando-se a devida publicidade;

III – Análise pelo órgão ambiental competente, integrante do SISNAMA , dos documentos, projetos e estudos ambientais apresentados e a realização de vistorias técnicas, quando necessárias;

IV – Solicitação de esclarecimentos e complementações pelo órgão ambiental competente, integrante do SISNAMA, uma única vez, em decorrência da análise dos documentos, projetos e estudos ambientais apresentados, quando couber, podendo haver a reiteração da mesma solicitação caso os esclarecimentos e complementações não tenham sido satisfatórios;

V – Audiência pública, quando couber, de acordo com a regulamentação pertinente;

VI – Solicitação de esclarecimentos e complementações pelo órgão ambiental competente, decorrentes de audiências públicas, quando couber, podendo haver reiteração da solicitação quando os esclarecimentos e complementações não tenham sido satisfatórios;

VII – Emissão de parecer técnico conclusivo e, quando couber, parecer jurídico;

VIII – Deferimento ou indeferimento do pedido de licença, dando-se a devida publicidade.

§ 1º – No procedimento de licenciamento ambiental deverá constar, obrigatoriamente, a certidão da Prefeitura Municipal, declarando que o local e o tipo de empreendimento ou atividade estão em conformidade com a legislação aplicável ao uso e ocupação do solo e, quando for o caso, a autorização para supressão de vegetação e a outorga para o uso da água, emitidas pelos órgãos competentes.

Quanto aos prazos de validade das licenças temos a seguinte regulamentação, tanto na Lei Estadual MS 2.257, como na Resolução Conama 237 (extratos abaixo):

Art. 18 – O órgão ambiental competente estabelecerá os prazos de validade de cada tipo de licença, especificando-os no respectivo documento, levando em consideração os seguintes aspectos:

I – O prazo de validade da Licença Prévia (LP) deverá ser, no mínimo, o estabelecido pelo cronograma de elaboração dos planos, programas e projetos relativos ao empreendimento ou atividade, não podendo ser superior a 5 (cinco) anos.
II – O prazo de validade da Licença de Instalação (LI) deverá ser, no mínimo, o estabelecido pelo cronograma de instalação do empreendimento ou atividade, não podendo ser superior a 6 (seis) anos.
III – O prazo de validade da Licença de Operação (LO) deverá considerar os planos de controle ambiental e será de, no mínimo, 4 (quatro) anos e, no máximo, 10 (dez) anos.

§ 1º – A Licença Prévia (LP) e a Licença de Instalação (LI) poderão ter os prazos de validade prorrogados, desde que não ultrapassem os prazos máximos estabelecidos nos incisos I e II.

§ 2º – O órgão ambiental competente poderá estabelecer prazos de validade específicos para a Licença de Operação (LO) de empreendimentos ou atividades que, por sua natureza e peculiaridades, estejam sujeitos a encerramento ou modificação em prazos inferiores.

§ 3º – Na renovação da Licença de Operação (LO) de uma atividade ou empreendimento, o órgão ambiental competente poderá, mediante decisão motivada, aumentar ou diminuir o seu prazo de validade, após avaliação do desempenho ambiental da atividade ou empreendimento no período de vigência anterior, respeitados os limites estabelecidos no inciso III.

§ 4º – A renovação da Licença de Operação (LO) de uma atividade ou empreendimento deverá ser requerida com antecedência mínima de 120 (cento e vinte) dias da expiração de seu prazo de validade, fixado na respectiva licença, ficando este automaticamente prorrogado até a manifestação definitiva do órgão ambiental competente.

Outro aspecto importante das legislações referentes ao licenciamento ambiental é a definição das condicionantes que podem ocasionar a suspensão ou o cancelamento da licença expedida. (Vide extrato abaixo da Resolução Conama 237, na Lei Estadual 2.257 as condicionantes são as mesmas).

Art. 19 – O órgão ambiental competente, mediante decisão motivada, poderá modificar os condicionantes e as medidas de controle e adequação, suspender ou cancelar uma licença expedida, quando ocorrer:
I – Violação ou inadequação de quaisquer condicionantes ou normas legais.
II – Omissão ou falsa descrição de informações relevantes que subsidiaram a expedição da licença.
III – superveniência de graves riscos ambientais e de saúde.

Outro aspecto importante para o licenciamento de empreendimentos na esfera estadual de MS está expresso no artigo abaixo da Lei 2.257.

Art. 13. Para a concessão da licença ou autorização de que trata esta Lei, deverá o empreendedor estar isento de débitos decorrentes de multas ambientais à Fundação Estadual de Meio Ambiente-Pantanal.

9 comentários em “O que são as Licenças Ambientais?

  1. gostaria de saber se existe licença ambiental para ETA de uma empresa privada , que capta agua de um manancial superficial , faz o tratamento por pressurização. É uma industria alimenticia e a agua vaiadicionada ao alimento. ( conservas de origem vegetal e animal).

  2. Olá Alfredo, a resposta a sua pergunta é a seguinte: esta ETA será licenciada no âmbito do processo de licenciamento ambiental do empreendimento como um todo.

  3. Gostaria de saber como funciona o sistema de licenciamento do Estado acerca de floresta plantada para fins de produção de papel/celulose ou ferro-gusa.
    1) Exige-se licenciamento ambiental para plantio de floresta exótica ou nativa? Que documentos devem ser apresentados? Quais são as exigencias? Qual é a base legal?
    2)Exige-se licenciamento ambiental para colheita de floresta exótica, nativa, manejo sustentável ou residuo de serraria? Que documentos devem ser apresentados? Quais são as exigencias? Qual é a base legal?
    3) Exige-se licenciamento ambiental para cavoerjamento de floresta exótica, nativa, de manejo sustentável ou residuo de serraria? Que documentos devem ser apresentados? Quais são as exigencias? Qual é a base legal? Existe diferença de documentação caso seja cavoerjamento de floresta nativa ao inves de ser de floresta exotica?
    4) E o transporte? Exige-se licenciamento ou alguma autorização especial? Como deve ser feito? Qual é a base legal?
    Grata.

  4. Juliana, a reposta de todas as suas perguntas está no site do IMASUL. Ou faça uma visita a central de atendimento localizada no Parque dos Poderes, em Campo Grande, MS.

  5. como se define de quem é a responsabilidade para emissão de licenças ambientais (município, estado e governo federal)?

  6. Necessito de um modelo de projeto tecnico para solicitacão de um cancelamento de licenca ambiental pois a empresa que trabalho desativou sua fabrica e agora preciso pedir o cancelamento desta licenca.

    Julio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *