Descarte de lixo eletrônico em São Paulo

Para você que sempre teve dúvida de como descartar o lixo eletrônico, segue a dica abaixo. Afinal o lixo eletrônico cada vez mais faz parte das nossas vidas e, portanto, merece o fim mais adequado possível em termos ambientais.

Site mostra endereços para descarte de lixo eletrônico em São Paulo

Consumidores de São Paulo contam agora com o E-Lixo Maps, um serviço de busca de endereços na internet para descarte de pilhas, baterias, celulares e carregadores. Para fazer uso do serviço, basta acessar http://www.e-lixo.org, digitar o CEP e o tipo de lixo eletrônico que pretende descartar. A partir dessas informações, o site indica ao internauta os pontos de coleta mais próximos da sua casa.

O projeto associa a plataforma do Google Maps com um banco de dados dos postos de coleta de lixo eletrônico em São Paulo e é fruto de uma parceria entre a Secretaria Estadual do Meio Ambiente e o Instituto Sérgio Motta. Além dessa prestação de serviço, o projeto prevê também o cadastramento de mais pontos de coleta. Para incluir mais pontos, o usuário só precisa acessar o link “participe” e fazer um cadastro do novo endereço de coleta.
“Iniciativas como essas são muito bem vindas porque, por um lado, ajudam a impulsionar ações de consumo consciente entre os cidadãos e, por outro, evitam que materiais que poluem o meio ambiente sejam descartados de forma incorreta”, comenta Ricardo Oliani, coordenador de Mobilização Comunitária do Instituto Akatu.

Vale lembrar que esses materiais possuem substâncias tóxicas em sua composição como mercúrio, chumbo, cádmio, belírio e arsênio. Quando descartadas incorretamente na natureza, eles causam danos ao meio ambiente e à saúde humana.

A idéia para o projeto surgiu após a realização, por parte da Secretaria Estadual do Meio Ambiente, da campanha “Mutirão do Lixo Eletrônico – Recicle. Não descarte essa idéia”. A ação, que aconteceu no dia 30 de outubro de 2008, teve como objetivo arrecadar pilhas, baterias, celulares e carregadores em mais de 100 pontos de coleta espalhados pela Capital e em 372 municípios. A participação da população no mutirão superou as expectativas, mais de 50 toneladas foram arrecadadas, mostrando que muitas pessoas não possuíam um lugar adequado para levar esse tipo de lixo.

Por: Envolverde e Instituto Akatu para o consumo consciente

© Copyleft – É livre a reprodução exclusivamente para fins não comerciais, desde que o autor e a fonte sejam citados e esta nota seja incluída.

4 comentários em “Descarte de lixo eletrônico em São Paulo

  1. Parabéns pelo site. Preciso da ajuda de vocês!

    Eu sou biólogo( UCSal), 42 anos e graduado em Língua Estrangeira Inglês- (UFBA) também professor de instituição de ensino Superior, porém tenho formação técnica em eletricidade e eletrônica
    No ano de 1995 quando eu estava no interior da Bahia em férias… descobri um município com luzes acesas durante o dia, falei com o eletricista e o prefeito, e eles disseram não ter recurso para arrumar a iluminação pública. Então fiz a proposta de recuperar os relés fotoelétricos e foto eletrônicos. Se desse certo seria remunerado pelo serviço e receberia uma carta de recomendação sobre a qualidade. Eu cumpri e o prefeito também… então depois disso sempre recuperei relés. Porém, após conclusão da graduação em biologia, minha argumentação foi colocada em moldes ambientais e anexada a carta de recomendação, assim trabalhei para vários municípios da Bahia e Sergipe e continuo até hoje.
    Sou autônomo (pessoa física) e não tenho muitos recursos, cobramos quase 50% do valor do relé novo com nota fiscal de serviço argumentamos preço baixo, economia de recursos naturais e financeiros, menos emissão de carbono… nós fazemos REUSO melhor que reciclagem; a reciclagem fazemos em segundo plano. A qualidade é excelente do material recuperado, não há falsificação. Tudo correto! Inclusive já fiz uma monografia sobre relés fotoelétricos e eletrônicos tive conceito dez.

    Pergunta: Eu queria uma certificação desse trabalho. Que órgão poderia fazer isso? É uma Idéia muito boa… mais de sete mil relés já foram recuperados. O sucesso do nosso trabalho está na dedicação e conhecimento adquirido. O índice de aproveitamento fica em torno de 70% e a vida útil aproximadamente cinco anos. Com garantia de seis meses.

    Sou professor especialista cursando Mestrado na UFBA em Meio Ambiente, mas como aluno especial. Gostaria de receber uma bolsa de estudos para mestrado em Engenharia Ambiental. Fiz a primeira graduação através de bolsa de estudos e o curso de eletrônica também.

    Atenciosamente,

    Raimundo Oliveira – Salvador -Ba

  2. Prezados,

    Estou começando um trabalho de monografia na área de quimica ambiental – especialização. Estou procurando alguns dados referentes , com relação ao descarte e tratamento do lixo eletronico ( materiais eletroeletronico como computadores), que tem uma grande quantidade de elementos químicos prejudiciais a saúde humana e que poluem um determinado ecossitema. No estado do Rio de Janeiro, existe algum projeto voltado, para o recolhimento deste material, por algum órgão responsável, trabalhos em alguma universidade, laboratório, etc…aproveitando este material para uma outra finalidade de uso sustentável?
    O CONAMA, JÁ TEM UMA LEI PARA O USO E DESCARTE DE MANEIRA ADEQUADA PARA A NÃO DEGRADAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E AS COMUNIDADES, QUE PODEM SER AFETADAS POR ESTE RESÍDUOS PERIGOSO?

    Atenciosamente,

    Paulo Roberto

  3. Prezado Paulo,

    O CONAMA ainda não possui uma resolução sobre este assunto, contudo já tem um grupo de trabalho no tema.

    Infelizmente, não sei responder se já existe um projeto como o Mutirão do Lixo Eletrônico de SP no Rio de Janeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *