Categorias
Educação Ambiental

Ecoeficiência

O conceito de ecoeficiência vem sendo adotado por empresas e pessoas do mundo inteiro, assegurando que suas atividades possam estar relacionadas com uma performance econômica e ambientalmente correta.
Além do consumo consciente, faz parte do “ser ecoeficiente” as pequenas gentilezas, como darmos lugar às pessoas mais necessitadas em um ônibus, por exemplo; retribuir à natureza todos os benefícios que ela nos dá com um simples gesto de plantar uma muda de árvore; ou ao produzirmos menos poluentes andando menos de carro e mais a pé ou de bicicleta.
Ser ecoeficiente é bem mais do que divulgar a ideia de ser sustentável ou promover a redução de desperdícios, mas transformar estas ideias em atitudes. Existem várias formas de colaborarmos:

  • Pensar no próximo é um excelente exercício da prática da ecoeficiência, porque envolve qualidade de vida, que não deve ser pensada em apenas uma pessoa, mas em um grupo.

 

Categorias
Educação Ambiental

Qualidade de vida nas cidades

Dicas do que você pode fazer para colaborar com a melhoria da qualidade de vida nas cidades:

  • Comece plantando sementes de árvores e árvores em canteiros planejados onde haja bastante espaço para a árvore crescer sem interferir na rede de luz ou tubulações de esgoto.
  • Proteja as árvores: regue as árvores existentes e cuide para que não sejam vandalizadas. É interessante podar também quando necessário.
  • Só jogue lixo no lugar certo: o lixo espalhado em terrenos baldios além de atrair ratos, moscas e mosquitos (vetores de doenças), cria um aspecto horrível de poluição em sua cidade.
  • Proteja animais e plantas: cada animal e planta é um ser vivo e tem tanto direito à vida, à liberdade e ao bem estar quanto nós.
  • Poupe água: a água que você usa não sai da parede. Os rios estão sendo agredidos pela poluição e desmatamento, o que torna a água potável cada vez menos disponível e eleva o custo do seu tratamento.
  • Evite poluir seu meio ambiente: use o automóvel o menos possível. Ele provoca poluição do ar.
  • Não use som alto: som alto provoca poluição sonora. Enfim, reveja seu dia a dia e tome atitudes ecológicas adequadas.
  • Use mais a bicicleta!
  • Só use produtos de limpeza biodegradáveis!
  • Evite o uso de venenos e inseticidas.
  • Evite queimadas: Além de provocar danos à saúde, acaba com a vida de animais e plantas.
  • Ensine as crianças a respeitar a natureza, estimulando o cuidado de plantas dentro de casa.

 

Categorias
conceitos Educação Ambiental

Resumo: Bacia do Rio Mimoso

O rio Mimoso é um dos mais importantes rios do município de Bonito-MS. A região onde nascem e correm todos os seus cursos d’água forma uma das mais belas paisagens naturais da região. Em seus 50 quilômetros de extensão, nasce na zona de amortecimento do Parque Nacional da Serra da Bodoquena, atravessa regiões montanhosas e deságua no rio Formoso.
O rio foi subdividido pela população local em três regiões: Alto, Médio e Baixo Mimoso. Seus principais afluentes são: Córrego Taquara, Santa Eliza, Carrapicho, Piquitito e Barranco.
O clima da região é o tropical quente, com duas estações bem definidas, sendo localmente influenciado pelo relevo, que ameniza as temperaturas. O relevo é montanhoso e há diversos tipos de solos: podzóico, latossolo vermelho-escuro e vermelho-amarelo, regossolo e brunizen.
A vegetação desta região é caracterizada por faixas de mistura dos domínios de Mata Atlântica e Cerrado, apresentando características dos dois domínios.

Categorias
Cursos de Engenharia Ambiental Educação Ambiental Gestão Ambiental

Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs)

Reserva Particular do Patrimônio Natural é uma unidade de conservação de domínio privado a ser especialmente protegida por iniciativa de seu proprietário, mediante reconhecimento do poder público, por ser considerada de relevância para a conservação da biodiversidade.
É criada com base no princípio democrático da manifestação expressa do desejo do proprietário, onde a “vontade de proteger” e a importância da biodiversidade existente no imóvel são os pontos de partida que podem culminar na criação de uma RPPN.
O processo de criação deve obedecer à legislação vigente no âmbito federal e/ou estadual.
Criar uma RPPN significa proteger determinada porção do território para sempre. É um compromisso com o futuro. Mesmo que haja mudança de proprietários, por venda ou herança, os novos donos terão que manter o compromisso lavrado em cartório.

Categorias
Consumo Consciente Controle Ambiental Educação Ambiental Sustentabilidade

Rios em que o pesque e solte é permitido no MS

Modalidade de pesca amadora, o pesque e solte consiste no ato de pescar e soltar o peixe, imediatamente, no mesmo ambiente em que foi capturado.
Em alguns rios que banham o Mato Grosso do Sul essa prática é permitida quando munido de autorização ambiental. São eles:

  • Rio Perdido: nos municípios de Bonito, Jardim, Caracol e Porto Murtinho.
  • Rio Abobral: nos municípios de Aquidauana e Corumbá.
  • Rio Vermelho: no município de Corumbá.
  • Rio Negro: no trecho que vai da foz do Córrego Lageado até o brejo da Fazenda Fazendinha, no município de Aquidauana.
Categorias
conceitos Cursos de Engenharia Ambiental Desenvolvimento Sustentável Educação Ambiental Legislação Federal

Legislação Ambiental

O Código Florestal (Lei Federal nº 4.771 de 1965) é a lei que regula o uso das florestas, cerrados e outras vegetações em propriedades rurais. De acordo com o código, os proprietários rurais devem manter uma parte da vegetação nativa que existia antes da abertura da fazenda em áreas conhecidas como Reserva Legal e Área de Preservação Permanente. Caso já tenha sido derrubada, a vegetação deverá ser recuperada.
Reserva Legal (RL): É uma área da propriedade onde a floresta não pode ser derrubada em corte raso, podendo ser explorada sustentavelmente para fins lucrativos. A Lei exige que todos os imóveis devem ter uma área destinada a RL e seu tamanho varia de acordo com a região em que se encontra a propriedade:

  • 20% para propriedades com vegetação de mata atlântica, cerrado (fora da Amazônia Legal), caatinga, pantanal e campos sulinos;
  • 35% para cerrado na Amazônia Legal;
  • 80% para floresta na Amazônia Legal.

Área de Preservação Permanente (APP): são áreas onde não se pode fazer derrubadas para uso agrícola ou pecuário. Sua localização e o tamanho da área são definidos por lei e não depende da vontade do proprietário ou órgão público. São consideradas áreas de APP as matas ciliares, mangues e morros.

Categorias
conceitos Controle Ambiental Cursos de Engenharia Ambiental Educação Ambiental Sustentabilidade

Recursos ambientais e recursos naturais

A Lei nº 6.938/1981 cita como recursos ambientais: a atmosfera, as águas interiores, superficiais e subterrâneas, os estuários, o mar territorial, o solo, o subsolo e os elementos da biosfera.
Os recursos naturais podem ser classificados em recursos naturais renováveis, se após seu uso podem ser renovados, isto é, voltarem a estar disponíveis (flora, fauna, entre outros); e em recursos naturais não renováveis (petróleo, água, entre outros). O uso desses termos tem ocorrido com mais frequência para se referir a formas econômicas e racionais de utilizá-los de modo que os renováveis não se esgotem por mau uso e os não renováveis rapidamente deixem de existir.
Embora o termo “recursos naturais” seja bastante utilizado como referência aos cuidados com o ambiente, quase não faz mais parte da legislação brasileira recente, que adotou preferencialmente o termo “recursos ambientais”. Podemos, então, considerar que o conceito de recurso ambiental se refere não mais somente à capacidade da natureza de fornecer recurso físico, mas também de prover serviços e desempenhar funções de suporte à vida.

Categorias
Cursos de Engenharia Ambiental Educação Ambiental Legislação Federal Licenciamento Ambiental Licenciamento Ambiental MS Sustentabilidade

Quem deve conceder o Licenciamento Ambiental?

O licenciamento ambiental brasileiro, fundamentado na Lei da Política Nacional do Meio Ambiente, tinha a Resolução Conama nº 237/1997 como principal norma delimitadora das atribuições dos entes federativos (União, estados, Distrito Federal e municípios) dentro do Sistema Nacional do Meio Ambiente (Sisnama). A Lei Complementar nº 140/2011 passou a regular, agora de forma constitucional, tais atribuições.
Com o advento da Lei Complementar nº 140/2011, as normas estabelecidas na Resolução Conama nº 237/1997 foram ratificadas, sem maiores alterações, permanecendo o sistema único de licenciamento pelos órgãos executores do Sistema Nacional do Meio Ambiente.
No que diz respeito à concessão do licenciamento ambiental dos entes federativos, foi mantido o critério da abrangência do impacto: se local, cabe aos municípios (desde que definidos pelo Conselho Estadual de Meio Ambiente); se extrapola mais de um município dentro de um mesmo estado, cabe ao estado esse licenciamento; se ultrapassa as fronteiras do estado ou país, cabe ao órgão federal específico.

Categorias
Controle Ambiental Cursos de Engenharia Ambiental Educação Ambiental Gestão Ambiental Licenciamento Ambiental MS

Corredores de Biodiversidade no MS

1) Potencial Corredor de Biodiversidade Pantanal – Cerrado
Ao longo do Rio Taquari, do encontro com o Rio Paraguai até sua nascente, Rio Coxim, Rio Verde, desde a nascente até o deságue no Rio Paraná.
2) Potencial Corredor de Biodiversidade Pantanal – Mata Atlântica
Ao longo do Rio Miranda, desde o encontro com o Rio Paraguai até sua nascente, Rio São Francisco, Rio Passa Cinco, Rio Santa Maria e Rio Ivinhema, desde sua cabeceira até o deságue no Rio Paraná.
3) Potencial Corredor de Biodiversidade do Chaco
Partindo do Rio Paraguai, ao longo do Rio Aquidabã e se estendendo pelo Rio Salobra até o Rio Miranda.
4) Potencial Corredor de Biodiversidade da Planície Pantaneira
Ao longo do Rio Negro, desde seu encontro com a Vazante do Corixão, estendendo-se pela Vazante do Feioso até as encostas da Serra de Maracaju, interligando através desta com o Rio Taquari, nas proximidades da cidade de Coxim.

Categorias
Cursos de Engenharia Ambiental Educação Ambiental Planejamento Ambiental Tecnologias Ambientais

Zonas Ecológico-Econômicas no MS

Zona é uma porção delimitada do território onde se materializam as malhas, se expressam as formas de utilização do solo e se estabelece, concretamente, a relação entre as potencialidades socioeconômicas pertinentes e a vulnerabilidade natural, indicando a situação de consolidação, expansão, recuperação ou de preservação no uso do solo.
Nessas zonas são descritos, em termos gerais, os três tipos de diretrizes de uso do solo, com a possibilidade de orientar certificações econômicas e incentivos (públicos e privados), e licenciamentos ambientais.
As zonas são:

  • Zona Alto Taquari (ZAT);
  • Zona do Chaco (ZCH);
  • Zona Depressão do Miranda (ZDM);
  • Zona Iguatemi (ZIG);
  • Zona das Monções (ZMO);
  • Zona Planície Pantaneira (ZPP);
  • Zona Proteção da Planície Pantaneira (ZPPP);
  • Zona Sucuriú-Aporé (ZSA);
  • Zona Serra da Bodoquena (ZSB);
  • Zona Serra de Maracaju (ZSM).