Categorias
Consumo Consciente

Campanha Saco é um Saco

Fonte: http://blog.mma.gov.br/sacolasplasticas/a-campanha/
A campanha Saco é um Saco é uma iniciativa do Ministério do Meio Ambiente que quer chamar a atenção do cidadão brasileiro para o enorme impacto ambiental de um hábito aparentemente inofensivo: pegar sacos e sacolas plásticas.
Os sacos e sacolas plásticas são produzidos a partir do petróleo ou gás natural, dois tipos de recursos não-renováveis. O impacto das sacolinhas começa aí: como consumimos sacolinhas aos bilhões em todo o mundo, e sendo elas descartáveis, a pressão por esses recursos naturais não para de aumentar. Depois de extraído, o petróleo passa pelo refino, que consome água e energia e emite gases de efeito estufa e efluentes.
Quando chegam ao consumidor, depois de servirem para o transporte das compras, a maior parte das sacolinhas é reutilizada para acondicionar o lixo – mas, como são de graça e muitas vezes de baixa qualidade, aquelas que rasgam ou são desnecessárias, seguem para o lixo, sequer sendo separadas para a reciclagem. E os recursos naturais utilizados em sua fabricação são desperdiçados, sobrando apenas um resíduo que demora séculos para se degradar para a natureza dar conta.
Muitos sacos e sacolinhas saem voando, outras são jogadas de qualquer maneira pela cidade. Essas sacolinhas desgarradas vão ajudar a entupir bueiros, ou se agarrar à fios de alta tensão, árvores, arbustos, ou acabarão boiando em corpos d’água e chegando aos oceanos. Nas cidades, as sacolas plásticas descartadas incorretamente agravam as enchentes e empoçam água das chuvas, podendo tornar-se focos de doenças, além de enfeiar o lugar onde moramos. Na natureza, podem ser ingeridas por animais, que sufocam ou engasgam ao confundí-las com alimentos.
Os problemas ambientais das sacolinhas plásticas são muitos, por que elas são muitas – são bilhões todos os anos! – e está em nossas mãos diminuir esse impacto. Basta dizer “Não, obrigado” quando oferecerem uma. Basta adotar uma sacola retornável ou outra alternativa. Basta olhar com outros olhos para nossas ações cotidianas.

A campanha Saco é um Saco quer a adesão de todos os brasileiros neste desafio.
O consumo consciente é a resposta na qual o Ministério do Meio Ambiente aposta para diminuir o impacto ambiental coletivo dos sacos e sacolinhas plásticas, e sua participação é fundamental para isso.
Recusar ou diminuir o consumo de sacos e sacolas plásticas, adotar uma sacola retornável ou outra alternativa são ações típicas do consumidor consciente. Reduzir o consumo de sacolas plásticas é só o começo de uma sociedade mais sustentável.
Saco é um saco. Pra cidade, pro planeta, pro futuro e pra você.

Categorias
Consumo Consciente Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental

Supermercado verde – Exemplo de gestão ambiental

O primeiro Supermercado Verde do Grupo Pão de açucar é um grande exemplo de gestão ambiental. Somadas, todas as ações do supermercado contribuem em muito para o meio ambiente. Vale a pena conhecer!

Para ver o relatório com fotos sobre o Primeiro Supermercado Verde do Grupo Pão de açucar, localizado em Indaiatuba, SP, clique no link abaixo.

supermercado-verde-pao-de-acucar-o-1c2ba-da-america-latina

Categorias
Consumo Consciente Desenvolvimento Sustentável

Consumo ecológico de água: Filtro ou água mineral?

Se na sua casa você compra galões de água mineral, porque não bebe água da torneira, responda o seguinte:
1 – Quanto reais você está gastando em galões de água mineral por mês?
2 – Qual sua garantia que a água dentro do galão realmente é mineral, e de que ela está livre de impurezas que podem prejudicar sua saúde?

Um filtro de água além de representar economia, pois tratar a água da torneira é muito mais barato do que comprar água mineral, representa saúde, pois apenas um filtro garante uma água isenta de impurezas. A água da concessionária já está dentro dos padrões de potabilidade do Ministério da Saúde, mas para garantir que você não vai beber água com excesso de cloro ou com impurezas vidno das tubulações basta apenas instalar um filtro.

Você vai saber a qualidade da água que bebe pelo gosto bom, uma água inodora e limpída! Sem contar que com um filtro de água a necessidade de manutenção é muito menor do que usando galões de água mineral. Toda vez que um galão acaba, tem que limpar o outro, e trocar (e para trocar muitas vezes precisa de um homem por causa do peso), e todo mês é necessário lavar o recipiente de distribuição pois ele tende a ir ficando verde (algas e musgo) por dentro. Já com um filtro de água basta trocar o filtro a cada 3 meses mais ou menos, ou seja, muito menos trabalho.

Indo mais além ainda podemos ver sobre a ótica ambiental, galões de água mineral poluem muito mais do que filtros, pois tem todo o transporte envolvido em carregar os vasilhames da indústria para as casas, e depois de volta para a indústria. Neste transporte ocorre a queima de combustíveis fosséis (em geral, gasolina para as motocicletas) e a emissão de poluentes, e a gente já está careca de perceber os efeitos da poluição do ar sobre a nossa saúde, principalmente, na estação seca. Podemos considerar também o volume de plático gasto nos galões e garrafinhas de água mineral. Um filtro fornece em um ano em média o equivalente a 3,2 mil garrafas de água. Se 200 milhões de unidades de filtro estivessem em uso, elas garantiriam um volume similar a toda a água engarrafada vendida em um ano nos EUA. (Valor especial – negócios sustentáveis 27, 28 e 29 de Junho de 2008)

Outro dado importante é que de 2003 a 2007, o preço da água disparou no mundo todo. A poluição hídrica, a industrialização e a expansão da urbanização acabaram gerando uma pressão enorme sobre os recursos hídricos. Os mananciais estão ficando escassos, e está difícil encontrar até mesmo águas subterrâneas que não estejam poluídas ou contaminadas. Muitos especialistas na área já consideram que a palavra escassez já faz parte do presente e não do futuro, e em muitos países isso se demonstra verdade na hora de comprar uma garrafa de água mineral. A água mineral está ficando e vai continuar ficando cada vez mais cara. A cerca de 3 anos atrás, uma garrafinha de água mineral custava em média 1,00 real, atualmente é díficl achar mais barato do que R$ 2,50 fora dos supermercados.

Resumindo, instalando um filtro de água você ganha em economia, segurança e também ajuda a proteger o meio ambiente!

Agora podemos pensar então: afinal tomar água mineral é ou não uma atitude ecológica?

Categorias
Consumo Consciente Resíduos Sólidos

3 R's, 4 R's e 5 R's

Quando se fala de resíduos sólidos, ou seja, de lixo, existem as dicas dos R’s. Alguns materiais falam em 3 R’s, outros em 4 e outros em 5 R’s, afinal qual utilizar?
Antes de decidir qual conceito de R’s se aplica ao seu caso, primeiro é necessário saber o que em geral eles querem dizer:

3 R’s: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.
4 R’s: Reduzir, Reciclar, Reutilizar e Reintegrar.
5 R’s: Reduzir, Reutilizar, Reciclar, Repensar e Recusar.

O primeiro conceito inventado e atualmente o mais utilizado é os 3 R’s.
O conceito de 4 R’s está ligado a gestão dos resíduos, conforme demonstra a seguinte figura:

Os 4 R\'s: Reduzir, Reutilizar, Reciclar e Reintegrar.
Os 4 R's: Reduzir, Reutilizar, Reciclar e Reintegrar.

Neste conceito de 4 R’s destacamos bem a diferença entre reciclar, reutilizar e reciclar:
Reciclar: Mandar o produto de volta para o processamento após sua utilização, exemplo: latinha de alumínio volta para a indústria de latinhas;
Reutilizar: Após o uso, reutilizar o produto para outro fim, exemplo: pegar um pote de vidro vazio e usar para guardar moedas;
Reintegrar: Reintegrar o produto a natureza, ou seja, transformá-lo novamente em um recurso natural, exemplo: compostagem de resíduos orgânicos para fazer húmus e adubo.

Já o conceito de 5 R’s foi adaptado para favorecer processos de Educação Ambiental, pois é um conceito mais prático e mais aplicável no nosso dia a dia como consumidores.

Conheça um passeio de ecoturismo na região de Bonito, MS, que coloca em prática os princípios dos R’s na gestão de resíduos sólidos: Rio da Prata.

Categorias
Consumo Consciente Desenvolvimento Sustentável

O papel do Consumidor

Será que ser um consumidor consciente vale a pena? Analise as imagens abaixo e conclua! Pense sempre nas suas escolhas, no seu papel como consumidor! O consumidor pode mudar o mundo através das suas escolhas! Consumir não é só comprar, mas sim escolher o que comprar!

E o consumo é automático, mesmo que você passe o dia inteiro sem abrir a carteira, você consumiu um monte de coisa que paga mensalmente: água, luz, etc.

O que é Consumo Consciente e Inter-dependência?
O que é Consumo Consciente e Inter-dependência?

O consumidor compulsivo gera o desequilíbrio do Planeta
O consumidor compulsivo gera o desequilíbrio do Planeta

O Consumidor consciente contribui para o equilíbrio do Planeta!
O Consumidor consciente contribui para o equilíbrio do Planeta!

Categorias
Consumo Consciente

5 R's

No seu dia a dia, pratique os 5 R’s:
Reduzir, Reutilizar, Reciclar, Repensar e Recusar.

O primeiro passo é REDUZIR a quantidade de lixo que a gente produz. Depois REUTILIZAR tudo que pudermos e RECICLAR.
REPENSAR nosso comportamento diário e RECUSAR produtos que agridem a saúde a o meio ambiente também é colaborar com o processo de conservação.

Categorias
Consumo Consciente

Dica de como reciclar – Consumo Consciente de Embalagens

Estamos no meio da grande onda verde, a hora da virada, é preciso adquirir consciência ambiental e rápido. Então, como sou Engenheira Ambiental, quero dar 5 dicas para o consumo consciente de embalagens:
1- Evite Embalagens Desnecessárias!
2 – Prefira produtos com embalagens retornáveis ou refis!
3 – Utilize sacolas retornáveis! De tecido! Diga não as sacolinhas plásticas!
4 – Reutilize suas embalagens sempre que possível!
5 – Encaminhe as embalagens sem utilidade para a reciclagem!
No meu bairro não tem programa de reciclagem, mas passam muitos catadores de materiais recicláveis. Então o que eu faço é separar o lixo em reciclável e rejeito. No reciclável entra tudo o que é reciclável junto, desde que limpo e seco, caixa de papelão, de sabonete, frasco de detergente, de amaciante, garrafa pet. E o rejeito é o lixo do banheiro, e o resto de comida! Aí eu coloco na lixeira na calçada em horas diferentes, coloco o reciclável de manhã logo cedo, sempre que encho um saco de 100 litros, no começo eu colocava uma fita crepe escrito reciclável. Agora os catadores já aprenderam então não precisa mais.
E coloco o rejeito só na hora e dias em que sei que vai passar o lixeiro!
Quer jeito mais fácil de reciclar? Melhor do que os catadores terem que enfiar a mão no lixo todo!