Categorias
Consumo Consciente

Turismo e Desenvolvimento Sustentável

Pontos Vitais do Desenvolvimento Sustentável
Sustentabilidade do ambiente: assegura a compatibilidade do desenvolvimento com a manutenção dos processos ecológicos essenciais, bem como com a diversidade e recursos biológicos.
Sustentabilidade social e cultural: assegura que o desenvolvimento aumenta o controle das pessoas sobre as suas vidas, é compatível com a cultura e os valores morais do povo por ele alcançado e que mantém e fortalece a identidade da comunidade.
Sustentabilidade econômica: assegura que o desenvolvimento é economicamente eficaz e que os recursos são geridos de modo que possam suportar as gerações futuras.
O turismo sustentável constitui um modelo de desenvolvimento econômico concebido para:
• Melhorar a qualidade de vida da comunidade visitada;
• Oferecer ao visitante uma elevada qualidade de experiências;
• Manter a qualidade do ambiente de que tanto a comunidade anfitriã como os visitantes dependem.
Podemos dizer que o turismo sustentável:
• Estimula a compreensão dos impactos do turismo sobre os ambientes natural, cultural e humano.
• Assegura uma distribuição equilibrada de custos e benefícios.
• Origina a criação de emprego local, quer diretamente no setor turístico, quer nos diversos setores de apoio e gestão de recursos.
• Estimula a criação de indústrias domésticas lucrativas – hotéis e outras instalações de hospedagem, restaurantes e outros serviços de restauração, redes de transportes, artesanato e serviços de guias.
• Gera a entrada de divisas estrangeiras no país e a injeção de capital na economia local.
• Diversifica a economia local, principalmente em áreas rurais onde o emprego agrário pode ser esporádico ou insuficiente.
• Procura tomar decisões em todos os segmentos da sociedade, de modo que os usuários do turismo e de outros recursos possam co-habitar.
• Inclui a planificação e demarcação de áreas que assegurem um desenvolvimento apropriado do turismo face à capacidade de regeneração do ecossistema.
• Estimula melhorias em nível de transportes locais, comunicações e outras infra-estruturas básicas da comunidade.
• Cria instalações recreativas que podem ser utilizadas quer pela comunidade local quer pelos visitantes nacionais e estrangeiros.
• Também estimula e ajuda a custear a preservação dos locais arqueológicos e das localidades e edifícios históricos.
• Estimula a utilização produtiva dos terrenos destinados à agricultura, permitindo simultaneamente que vastos espaços sejam cobertos por vegetação natural.
• Melhora a auto-estima da comunidade local e fornecem oportunidade para uma maior compreensão e comunicação entre pessoas de diversas origens.
• Demonstra a importância dos recursos naturais e culturais para o bem-estar econômico e social das comunidades e pode ajudar a preservá-los.
• Supervisiona, avalia e gere os impactos que tem sobre o ambiente, desenvolve métodos confiáveis para definir responsabilidades e combater quaisquer efeitos negativos.

Categorias
Consumo Consciente

Manejo Racional e Bem-estar Animal

O  manejo racional de bovinos, promovendo o seu bem-estar animal é muito importante para a pecuária  brasileira. Veja pontos de destaque:
– fazendas que adotam bem-estar animal são mais produtivas
– há menos acidentes com animais (menos prejuízos)
– há menos acidentes com pessoas
– há melhor qualidade de carne (menos stress)
– há maior ganho de peso e outras medidas de produtividade
– há menos perda por contusões no abate
Existem mercados específicos para carnes com certificação de bem estar animal. Ou seja, são muitos ganhos, para o produtor, para os animais, para os vaqueiros, para o frigorífico, para o consumidor. E para o setor do agronegócio como um todo.
 

Categorias
Consumo Consciente Controle Ambiental Educação Ambiental Sustentabilidade

Rios em que o pesque e solte é permitido no MS

Modalidade de pesca amadora, o pesque e solte consiste no ato de pescar e soltar o peixe, imediatamente, no mesmo ambiente em que foi capturado.
Em alguns rios que banham o Mato Grosso do Sul essa prática é permitida quando munido de autorização ambiental. São eles:

  • Rio Perdido: nos municípios de Bonito, Jardim, Caracol e Porto Murtinho.
  • Rio Abobral: nos municípios de Aquidauana e Corumbá.
  • Rio Vermelho: no município de Corumbá.
  • Rio Negro: no trecho que vai da foz do Córrego Lageado até o brejo da Fazenda Fazendinha, no município de Aquidauana.
Categorias
Consumo Consciente Resíduos Sólidos

Reciclagem de Garrafas PET

A grande quantidade de lixo acumulado em lixões e aterros e disposto erroneamente em locais inapropriados gera inúmeros problemas para a cidade, para a população e para o meio ambiente. Exemplos de materiais que mais persiste no solo (por não ser muito degradável) e que é amplamente consumido no mercado atual são produtos à base de um plástico chamado politereftalato de etileno, também conhecido como produtos PET, usado principalmente na confecção de garrafas de refrigerante, água, óleo entre outros.
Os plásticos PET são poucos perecíveis e muito utilizados hoje em dia, sem dizer que sua produção é altamente poluidora por ser um derivado do petróleo e liberar gases tóxicos e intensificadores do efeito estufa, tornando-os grandes inimigos do meio ambiente. Além dos prejuízos causados em suas produções e no consumo do petróleo (que é um combustível fóssil usado constantemente por vários tipos de indústria e esgotável) e de energia usada na indústria, as garrafas PET impermeabilizam camadas de lixo, tornando mais difícil os processos de degradação e decomposição por bactérias e outros micro-organismos e acumulando cada vez mais lixo. Então, a necessidade cada vez mais emergente de reciclar esses produtos é real e imediata.
Com tantos malefícios trazidos pelo despejo de garrafas PET, há também grandes benefícios com sua reciclagem, que é relativamente fácil de se realizar e existem diversos usos para esse material reciclado, como na indústria têxtil (na fabricação de camisas), em móveis e utensílios domésticos, como abajures, porta lápis, vasos de plantas, porta guardanapos, artesanatos em geral e outros usos sustentáveis, como aquecedores solares de baixo custo, utilizando garrafas PET, iluminação à luz solar, coletores de água da chuva.
Tendo em vista o baixo grau de degradabilidade, os altos índices poluidores, a facilidade e os inúmeros usos e benefícios da reciclagem desse material torna-se imprescindível sua reutilização e reciclagem. Para diminuir a quantidade de produtos à base de PET nos aterros e lixões e o consumo desses produtos, sem dizer no alto grau de reaproveitamento desses materiais, a melhor solução encontrada é a reciclagem, pois é extremamente eficiente em todos os fatores.

Categorias
Consumo Consciente

Consumo consciente: palestra para saber mais!

Vinícius Battistelli Lemos, Engenheiro Ambiental formado na UFMS, e Mestrando em Tecnologias Ambientais apresenta no dia 09/06/2011 às 17h00 (horário de Brasília) a palestra Consumo Consciente no Portal Porta Palestras.
A palestra online é gratuita, basta fazer a inscrição no portal e participar, e irá falar sobre o papel do consumidor consciente, aquele que entende como funciona o ciclo da natureza, e assim escolhe de produtos que tenham impacto reduzido no meio ambiente.
Conteúdo: Meio Ambiente; Seres Humanos; Processos naturais ; Processos antropogênicos ; Processos naturais X antropogênicos; Resíduos ; Poluição; Ciclo de Vida; 4 R’s; Consumo; Consumidor consciente; Indústria e comércio ; História das coisas.

Por que participar?
Os recursos naturais são limitados, e ainda não percebemos isso. Compramos e consumimos sem pensar nem analisar quais serão os impactos, ou o que faremos com o lixo depois. Entender como funciona o ciclo da natureza pode nos tornar consumidores mais conscientes.

Categorias
Consumo Consciente Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental

Aumente a Consciência Ambiental dentro da empresa

Fonte: Mauro Shimizu Ribeiro – Blog Saia do Lugar http://www.saiadolugar.com.br/
A matéria-prima de todos os produtos que utilizamos no nosso dia a dia vem da natureza. Exemplo: papel vem da celulose das árvores, móveis da madeira, vernizes dos móveis vem do petróleo. Ou seja, tudo que fazemos todos os dias gera efeitos sobre o meio ambiente. Mesmo que não percebamos temos um impacto indireto e direto diário sobre o meio ambiente. Assim, vale a pena aprender como diminuir este impacto, e podemos começar pela nossa empresa!
Dicas para tornar a sua empresa um ambiente responsável ambientalmente:
Imprima menos
Imprima só o que é completamente indispensável. Dê preferência para o modo de impressão econômico preto e branco e tente fazer uso de fontes que gastem menos tinta (por exemplo a Sprang Eco Sans).
Reutilize papéis rascunhos
Na construção do seu escritório, procure dar preferência a iluminação natural.
Tenha aparelhos de ar condicionado eficientes energeticamente (Procel A), o mesmo é válido para geladeiras e frigobares.
Separe o lixo reciclável e não reciclável. Pilhas e baterias devem ser encaminhadas para os programas papa-pilhas.
Cada um traga sua canequinha, economize copinhos plásticos descartáveis.
Incentive a carona
Escritório limpo e plantas no ambiente de trabalho
Conclusão: Vale a pena lembrar que muito mais do que algo bonitinho, ter uma postura sustentável ajuda a reduzir custos, aumentar sua organização e consequentemenete, a criatividade da empresa.

Categorias
Consumo Consciente Sustentabilidade

Vídeos sobre Meio Ambiente e Sustentabilidade

O site da Revista Página 22 – Informação para o novo século – oferece muitos vídeos interessantes sobre meio ambiente, resíduos sólidos, gestão ambiental, construções sustentáveis e sustentabilidade em geral. Vale a pena conferir:
http://pagina22.com.br/index.php/category/p22tv/

Categorias
Consumo Consciente Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Legislação Federal Resíduos Sólidos Sustentabilidade

Coleta de resíduos eletroeletrônicos em discussão

Com a aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, é importante definir quais serão as atitudes adotadas para cada tipo de resíduo. E para essa definição o Conselho Nacional de Meio Ambiente está se preparando.

Conama define em setembro obrigações sobre coleta de eletroeletrônicos
Por Cristina Ávila, do MMA

Reuniões que tratam sobre a resolução desse tipo de resíduo, que traz complexidade para a coleta e destinação, tem a participação do MMA, da cadeia produtiva e de representantes de estados e municípios.
Os acordos setoriais previstos pela Política Nacional de Resíduos Sólidos que será sancionada  pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na segunda-feira (2/8), já estão se realizando na prática. A nova legislação que será regulamentada por decreto neste ano tem como uma de suas características a logística reversa – o que significa a obrigação dos fabricantes pela destinação de seus produtos depois de descartados pelos consumidores -, outro aspecto que a caracteriza é o estímulo a parcerias que tornarão possível essa tarefa.
É o que vem acontecendo no Conselho Nacional de Meio Ambiente. Em reunião agendada para setembro, o Conama deverá ter definido consenso a respeito da coleta e destinação de eletroeletrônicos. A partir daí, o assunto vai para as câmaras técnicas e depois para o plenário. As reuniões que tratam sobre a resolução desse tipo de resíduo tem a participação do MMA, da cadeia produtiva e de representantes de estados e municípios. “Vemos com muita satisfação a aprovação da Política Nacional, pois vai facilitar o diálogo que já existe no Conama”, afirma Zilda Veloso, gerente de Resíduos Perigosos.
Zilda explica que esse é um grupo de trabalho que tem a particularidade de tratar de resíduos muito diversos, que vão desde um pequeno celular a uma grande geladeira. O que traz complexidade para a coleta e destinação. “Hoje não existem responsabilidades definidas. Esperamos que a resolução do Conama contemple responsabilidades para os importadores e fabricantes. O que, aliás, é o espírito da Política Nacional de Resíduos Sólidos”, comenta ela.
A expectativa é compartilhada com o setor produtivo. “Avançamos no debate e já temos diversos pontos de consenso”, diz André Saraiva, diretor de Responsabilidade Social da Associação Brasileira da Indústria Eletroeletrônica. Segundo ele, um desses pontos é justamente sobre as obrigações de cada segmento para que a reciclagem se torne realidade.
Além das questões de responsabilidade ambiental pelo destino de produtos como computadores, celulares, secadores de cabelo, geladeiras, outro motivo que mobiliza a sociedade é o valor econômico dos resíduos. Um dos exemplos da expectativa da indústria é a presença de Philipp Bohr na reunião mais recente, realizada no dia 28 de julho. Ele está interessado nas decisões do Conama a respeito da coleta. Isso porque é representante de uma empresa suíça que será inaugurada, em setembro, em São Paulo, para a reciclagem de geladeiras e freezers.
“Temos capacidade de reciclar 420.000 geladeiras por ano, com aproveitamento de frações de aço, plástico, metais não ferrosos, polietileno e o CFC (clorofluorcarboneto), que é canalizado e transformado em ácido de uso industrial”, afirma Phillipp Bohr. Para que essa indústria funcione, o segmento deve estar organizado, para que a coleta não representante custos que inviabilizem o negócio.
André Saraiva explica que o consenso que se desenha no Grupo de Trabalho se refere justamente a isso – o que não é tão simples como parece, no caso de geladeiras de clínicas laboratoriais, por exemplo. “Uma geladeira com essa origem precisará ser descontaminada”. Saraiva cita que para se formular a resolução do Conama é necessário ter uma visão geral sobre o assunto. “Não se pode destinar um computador com dados pessoais para a reciclagem, é preciso primeiro deletar informações. Também não é possível transportar sem que se pense na questão jurídica, pois esses computadores são legalmente propriedade de alguém”, disse ainda.
Via (Envolverde/MMA)


Categorias
Consumo Consciente Desenvolvimento Sustentável Resíduos Sólidos

Rio de Janeiro restringe uso de sacolas plásticas

Em atitude exemplar, Rio de Janeiro cria lei que visa diminuir o uso de sacolas plásticas.

Uso de sacolas plásticas no comércio do Rio fica restrito a partir de sexta-feira
Por Redação da Agência Brasil

Rio de Janeiro – O uso de sacolas plásticas para embalar mercadorias fica restrito no Rio de Janeiro a partir de sexta-feira (16), com a entrada em vigor da Lei nº 5.502 de 2009. Os parlamentares da Assembleia Legislativa do estado tinham aprovado o adiamento para janeiro de 2011, mas o Diário Oficial do estado publicou nesta terça-feira (13) o veto do governador Sérgio Cabral.
Também na sexta-feira, fiscais da Secretaria do Ambiente vão a supermercados e lojas para garantir a aplicação da lei. O órgão informou, no entanto, que inicialmente eles vão realizar ações educativas e não está prevista a aplicação de multa, que pode chegar a R$ 20 mil.
De acordo com o presidente da Associação de Supermercados do Rio de Janeiro, Aylton Fornari, o comércio vem se adaptando há algum tempo às novas regras.
“Estamos preparados para cumprir essa lei, os mercados vão dar desconto de 3 centavos em cada cinco itens para quem não quiser levar a sacola. E vão disponibilizar outros tipos de sacolas reforçadas, como de lona e ráfia, que possam ser reutilizadas. Isso já vem acontecendo há algum tempo, mas sexta começa a fiscalização da mudança do sistema”, destacou Fornari.
O comércio popular também terá de observar a lei. O presidente da Sociedade de Amigos e Adjacências da Rua da Alfândega (Saara), Ênio Bittencourt, diz que será difícil mudar em tão pouco tempo e reclama da falta de alternativas.
“A gente vai fazer o que for possível, porque o comércio popular utiliza muito esse material. Vai ficar meio apertado o prazo, vamos tentar diminuir, porque não nos apresentaram nenhuma alternativa”, disse Bittencourt, que representa comerciantes do maior centro de comércio popular da cidade.
Rosângela de Souza, que trabalha numa papelaria na Praça Mauá, no centro do Rio, reclamou da falta de informação, apesar de ser a favor da preservação do meio ambiente.
“Tem mais é que mudar mesmo, o que pudermos fazer para melhorar o meio ambiente será ótimo, o planeta agradece. Mas faltou informação, porque no nosso caso acabamos de comprar um estoque para seis meses de sacola plástica. Não sabemos o que vai ser feito ainda”, disse a vendedora.
Em quase um ano da campanha Saco É um Saco, do Ministério do Meio Ambiente em parceria com a Secretaria do Ambiente do estado, foram recolhidos mais de 600 milhões de sacolas plásticas no Rio de Janeiro. A assessoria da Secretaria do Ambiente informou que a campanha vai ser intensificada com o objetivo de esclarecer a população sobre os prejuízos que o plástico causa ao meio ambiente, já que a decomposição do material leva até 500 anos.
Edição: Juliana Andrade
(Envolverde/Agência Brasil)

Categorias
Consumo Consciente Controle Ambiental Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Legislação Federal Licenciamento Ambiental Planejamento Ambiental Resíduos Sólidos Tecnologias Ambientais

Tecnologias ambientalmente corretas serão exigidas nas licitações

A adoção de tecnologias ambientalmente corretas em todas as áreas da sociedade é uma tendência mundial, que busca otimizar e manter os recursos naturais sem esgotá-los rapidamente. O uso destas tecnologias passou a ser critério para as licitações do governo, o que mostra um alinhamento do Brasil com esta tendência.
Governo adota critérios de sustentabilidade nas licitações
A utilização de critérios sustentáveis na aquisição de bens e na contratação de obras e serviços pelos órgãos do governo federal foi regulamentada pelo Ministério do Planejamento. As regras abrangem os processos de extração ou fabricação, utilização e o descarte de produtos e matérias-primas.
De agora em diante, as obras públicas serão elaboradas visando a economia da manutenção e operacionalização da edificação, redução do consumo de energia e água, bem como a utilização de tecnologias e materiais que reduzam o impacto ambiental.
“Essas regras vão exigir uma readequação do mercado, já que nem todos os fornecedores terão produtos qualificados para as nossas exigências”, alertou o secretário de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Rogério Santanna. Segundo ele, o governo possui grande poder de compra e deve induzir essas mudanças junto ao mercado.
“Com essas medidas, o governo estimula a sociedade a seguir esse caminho, não apenas porque dá o exemplo, mas também porque pode induzir os fornecedores a se preparar para fornecer produtos e serviços ambientalmente sustentáveis”, justificou.
Entre as determinações, há a exigência para que as construtoras tenham um projeto de gerenciamento de resíduos provenientes da construção civil que atendam às normas do Conselho Nacional do Meio Ambiente. Assim, os resíduos das obras serão destinados a aterros sanitários ou usinas de tratamento de lixo.
A Instrução Normativa também prevê, no caso das obras públicas, a utilização de sistemas de reuso de água e energia, procedimentos para reduzir o consumo de energia, utilização de materiais reciclados, reutilizáveis e biodegradáveis e redução da necessidade de manutenção, além do uso de energia solar. Outra exigência é a comprovação da origem da madeira para evitar o emprego de madeira ilegal na execução da obra ou serviço.
O governo federal também recomenda que os bens e serviços sejam constituídos, no todo ou em parte, por material atóxico, biodegradável e reciclado e que não contenham substâncias perigosas em concentração acima da recomendada na diretiva européia RoHS (Restriction of Certain Hazardous Substances). Entre eles, o chumbo, o cromo, o cromo hexavalente e o cádmio.
A Instrução ainda traz regras para a contratação de serviços, como a separação dos resíduos reciclados descartados pelos órgãos, a adequada destinação para pilhas e baterias e a utilização de produtos de limpeza e conservação de produtos que atendam às determinações da Anvisa. O documento também prevê que as empresas contratadas realizem programas internos de treinamento para a redução de consumo de energia elétrica e  de água.
(Envolverde/Em Questão)